quinta-feira, 8 de julho de 2010

Fonte: /api.ning.com/files


Marlinda!!!

Ontem fiquei conversando com nosso amigo phyno da Alemanha, como sempre...

E tenho agradecido muito pela família e pelos amigos que eu tenho, mesmo à distância.

Enfim, meus amigos distantes têm estado muito presentes nos últimos tempos, de todos os lugares do mundo, inclusive você.

Então, eu queria falar sobre as diferenças e diversidades. Porque amigo a gente escolhe, com defeitos e qualidades. E eu amo todos por serem tão diferentes e mesmo assim termos afinidades.

Meus pais sempre me ensinaram a buscar pessoas que nos acrescentem para que, juntos, possamos multiplicar alegrias. E eu creio que meus amigos de verdade são assim: com coisas em comum, mas com tantas diferenças que me agregam milhões de valores.

E conversando sobre isso, nosso amigo disse que “terminou” com duas amigas devido às diferenças.

Então eu decidi deixar aqui um recadinho não só pra ele, mas como para as pessoas que fazem parte da minha vida:

Amizades são dádivas.
Opostos que resolvem compartilhar momentos de alegria, tristeza, incerteza, expectativas...
Cada qual com suas manias, bizarrices, traumas e gostos. E mesmo assim se aceitam! Até porque não se devolvem alguém pelos seus defeitos. Amigos também são "mercadorias estragadas".
E amigos, humanos que são, tem machucados, cicatrizes e arranhões no coração. E que não tem?
E machucados na alma não são fáceis de sarar. Mas são essas ranhuras que criam as diferenças. Alguns tornam-se muito fortes e outros rabugentos, outros pessimistas, criadores de obstáculos e muralhas em volta de si. Mas isso só quer dizer: “olha, eu tô machucado. Preciso de vc!”

E quando o coração de alguém está doendo,algo pode fazer toda a diferença:

"Nenhuma das suas cicatrizes me faz te amar menos".

Bia